analista

meu analista acredita em mim.
não quero alta jamais.
gosto dos nossos papos semanais.
posso me expressar com um profissional.
que me orienta e me entende.
menos confusa fica minha mente.
o trabalho dele parece ser joia.
esse negocio de divã é bacana.
parecido com alguém que te escuta em uma cama.
ainda mais eu que sou preguiçosa.
pra fazer amigos não sou boa.
pra namorar não sou dengosa.

ele não é meu melhor amigo.
é meu melhor ouvinte.
sempre saio de lá esperando a sessão seguinte.

slide_453820_6087268_compressed.jpg

(imagem folhades.paulo)

Zeca Baleiro – A depender de mim

Amor de biblioteca

não tinha a barba comprida. deixava por fazer. os cabelos castanhos sem corte. os olhos vidrados em uma antiga edição de Macbeth. suas vestes eram de um estilo fazendeiro norte americano. desses que um ator de Hollywood gato interpreta um dono de milharal.
ele parecia interessante sentado com sua mochila, o livro e um derby vermelho.

ele é um rapaz instigante. um rapaz que prende a atenção enquanto mastiga um plastiquinho de caneta.

a deixava ferver por dentro.

large (9)

(imagem weheartit)

Nando Reis – Felicidade

Já era

a verdade é que pra ele ela ir embora ou não não faz a menor diferença. ele finge se importar mas no fundo nunca deu a mínima. nunca deu valor. nunca pensou em um futuro do lado dela com rede e suco de laranja. nunca quis conhecer os pais dela nem participar do amigo secreto. não quis conhecer os amigos dela e permaneceram em casa a base de pizza e netflix. ela cansou.

fim.

large (6)

(imagem weheartit)

Seu Pereira – Já era

correndo com a mudança

to me mudando. to saindo da cidade que nasci. já moro sozinha a quatro anos mas nunca sai de curitiba. to sentindo essa cidade me sufocar. o real motivo de eu nunca ter saído é porque eu sou muito apegada aos meus pais e minhas irmãs. me sinto até um pouco ingrata de deixar eles só que eles sabem que é pra eu voar. eles me apoiam. querem me ver sair do lugar. crescer. ir conhecer o mundo. pessoas.
a saudade vai me matar mas sempre vou vir visitar eles e ama-los como se não houvesse amanhã.
mesmo eu amando curitiba nenhuma cidade merece minha vida. meu destino. minha sede e abundancia de viver não cabem em cidade/estado. talvez só até onde eu fiquei… a partir de agora não cabe mais. agradeço muito a minha família que é o bem mais precioso que tenho e aos poucos e bons amigos que fiz. de resto… em nada me acrescentou. é triste dizer isso, meu psicologo diz ”olha tu ja passou por tanta coisa, tu é forte” e repete sempre. não é uma questão de ser forte ou me acovardar é uma questão de me aventurar. de expandir meus horizontes.
claro que minha ultima decepção amorosa me traz um pouco de fuga. e eu encaro como uma fuga boa, uma fuga do bem. quero ficar longe e conhecer gente que nunca vi na vida, sabe? aqui já conheço tanta gente. umas legais e outras entediantes.
um pouco da decisão veio quando meu melhor amigo decidiu ir pra Áustria, ele foi um dos primeiros a dizer ”tu paga aluguel aqui, vá viajar, morar em outro lugar”. sei que parece bobeira mas só de pensar na saudade que eu vou sentir dele me corta o coração. e ele é tão do bem que as palavras dele caíram como algodão do céu. me deram coragem. e enquanto eu dizia que queria mudar minha vida ele soube o que dizer.

e eu vou seguir esse ”manu, vai conhecer gente”
porque ele jamais errou em um concelho.

12359909_10208167443494972_3322703120852516729_n

(eu e pai fazendo um sanduíche de mãe)

Elis Regina – Velha roupa colorida

erro quando acerto

erro quando tento acertar.
erro acertando.
erro existindo.
erro. erro. erro.
um erro constante.
erro escrevendo de caneta que não apaga.
erro quando coloco um filme pra assistir e não é bom.
erro em não ter relógio e calendário.
erro em sair sem sombrinha em dia de chuva esperando o arco-iris.
erro de não levar o casaco.
erro levando o casaco.

erro na sorte.
erro no amor.

large (2).jpg

(imagem weheartit)

Os the darma lovers – Peixes

chumbo em mim

não sou suficiente pra ninguém. depois de hoje… um dia corrido no meu trabalho eu entendi teu telefonema. eu sai chorando depois de dar uma palestra. sorte que tu não me ligou antes. tu foi cruel no telefone. disse que eu não sei sustentar uma relação. mas porra, quantos anos eu te aguento? e tu vai e tu volta e eu aceito. eu aceito por amor genuíno. não ligo se tu dormiu com meio mundo. nunca liguei. sempre dou o tempo pra tu se afastar e esfriar a cabeça e só porque dessa vez quem pediu o tempo fui eu tu não compreendeu.
sei que tu é adorável e que todos que te conhecem gostam de ti. ou porque tu é legal ou por interesse mesmo. só que sei lá, não te fiz mal algum pra ouvir que sou uma menina mimada, sem freios e louca demais. palavras doem. e minha loucura sempre foi do teu lado. ouvi que jamais conseguiria mudar de cidade por ser fraca. que não é pra tentar ficar com minha vaga no emprego porque não vou ficar até o fim. que jamais terei forças pra aguentar a carga do mundo por ter esse jeito meio drogadinha e tristonha de ser.
é, me doí ouvir isso de alguém que jamais desejei o mal. eu realmente não sei se tu esta com raiva ou esta com medo de me perder. não sei mesmo e to com preguiça de ir atras saber. ainda mais depois de tudo isso. ainda mais depois da droga do dia de hoje. tu acabou com tudo. tu ofendeu. tu foi baixo.
sabe, eu nunca te disse… a cada partida tua eu chorei. quando te vi com outras eu chorava quando chegava em casa e pensava ”se ele está feliz eu preciso ficar também pois o amo e quero vê-lo feliz”. eu era capaz de tudo pra te ver feliz, comigo ou com quem tu desejasse. então tu vem cheio de ódio me ligar. me deixar pra baixo. tirar minha autoconfiança. que otário que tu anda sendo. se tu ta sofrendo com tudo isso me ligue e seja bacana, esse não é o melhor jeito pra tentar voltar comigo. me deixando fraca, sem armadura.

só não tiro o mal pela raiz hoje porque entendo que tu esta de cabeça quente.
só não saia me machucando, estou em outra frequência.

large (1).jpg

(imagem weheartit)

Tulipa Ruiz – As vezes