old times

sempre coloco um rock meio iê iê iê ante de escrever.
me traz o ar dos meus dezoito anos.
das festinhas de rock demode.
onde todo mundo era nonsense.
onde tudo era novo.
onde os corações eram nucleares.

large (14)

(imagem weheartit)

dueto

te olho daqui e penso que meu mundo esta resumido em você.
logo te olho e me contradigo colocando uma data de validade e um talvez-não-seja-pra-sempre.
são sempre afirmações e inseguranças.
temos que provar todos os dias que nos amamos.
somos indecifráveis.
somos incógnita.
nos amamos muito e tão bem que não sabemos no que vai dar,
e vamos longe!

kk

(imagem weheartit)

sobras

e se sobrar só um amor judiado pra nos, nós vamos continuar juntos?
e se nos perdermos em juras. não tivermos tempo de saciar o outro. não conseguirmos ficar perto.
e se conhecermos outras pessoas. precisarmos pedir perdão. e o mais difícil, perdoar.
o que pode acontecer com um amor que ama apressadamente?
como se ama quando o tempo aperta e o sentimento é em outra frequência?
quando o sentimento é atemporal?
quando o sentimento ultrapassa o tempo e você conhece tão bem a pessoa que intimidade é cotidiano?
como vai ser no final de tudo isso?
vamos sair inteiros?
juntos ou separados?

large (13)
(imagem weheartit)

 

flerte

só quero te perguntar por que me devoras com o olhar?
a questão é que eu gosto. gosto bastante do castanho profundo dos teus olhos.eles param em mim. depois disfarçam olhando o copo de bebida. aproximando o copo.
reparei que você bebe bastante cerveja e entre os outros é o mais calado. acho esse silêncio  tão bonito. bonito como uma pedra chamada ”pirita”, que entre uma das coisa que representa tem a ”elegância”. estranho achar um silêncio bonito mas, ele é tão cabível a imagem que tenho de ti.
que ainda não cheguei a imaginar tua voz.

large (12)

(imagem weheartit)

ela era minha

eu podia ter congelado ali.
naquele momento que deitamos na rede falamos e nos acariciamos. riamos de imagens bobas da internet. você me contava seus maiores medos – lesmas do jardim que chegam a noite.você é tão sincera, meiga, sonhadora e incrivelmente linda. menina que adora batons. fotografia. cores. unicórnios. e muitas piadas.
sentados a noite só conversamos sobre a vida, e sabe? de tão fascinado por você eu não prestei atenção na lua. eu deixei de ver a lua, de procura-la. porque só sabia amar aquele momento.
teus olhos tão sutilmente maquiados que mostram tua vaidade. os cílios enormes. a cor suave de mel. tudo é tão suave com você… como um balanço eterno na nossa rede. naquela varandinha apertadinha da tua casa. aconchegante mesmo com o frio do sul. eu pensava quando a olhava ”como alguém pode me fazer rir tão afrouxadamente?” ”como é tão fácil me fazer sorrir?”.
ela era magica. mistica.
ela era minha menina.

large (11).jpg

(imagem weheartit)

no fundo

confesso. estou confusa.
não consigo me acostumar com o teu jeito de estar sempre fugindo de nós.
e depois me aparecer com um puta sentimento nirvana.
voltar como se nossa vida tivesse congelada no passado.
nossa historia.
congelada.
confusa estou depois de passarmos horas e horas nas mais pervertidas sacanagens.
no frio.

e cá estou, confusa escrevendo.

ooo

(imagem weheartit)

12/06/2012

prosas. poesias, canções, orações, adorações. estão resumidos na tua voz que me inebria. tu sabe como é ficar todo esse tempo sem noticias tuas? sem ouvir um ”eu te amo”. sofri a dor da tua perda. sangrei e enchi o poço de martírios. chorei a morte inexistente de algo que na verdade nunca possui. andei como espectro nas noites escuras de curitiba. sem vontade de me esquentar em corpos estranhos. fui a procura de outros amores – novelas inúteis.
a minha existência depende da sua.

cavalete

(imagem weheartit)